16 de Dezembro de 2017

 

O promotor de Justiça de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, Franklin Lobato Prado, se manifestou nesta quarta-feira (6), em alegações finais, pela pronúncia do réu Luís Roberto Corrêa Baima, pelo crime de tentativa de feminicídio qualificado contra Dandara Silva de Almeida e por lesão corporal contra Marli Silva de Almeida, os crimes correram em fevereiro deste ano.

Nesse mesmo processo, o Ministério Público se manifestou na data de ontem pela manutenção da custódia cautelar do acusado, o seja, pelo indeferimento do pedido de revogação da prisão preventiva.

Consta dos autos que o réu, no dia 17 de fevereiro deste ano, por volta das 21h, tentou matar a vítima Dandara de Almeida, sua ex-companheira, com enforcamento e uma facada no pescoço, além de ter lesionado a mãe dela, Marli de Almeida, com cabeçadas e um corte de faca.

A vítima e o acusado conviveram maritalmente por cerca de um ano e cinco meses. Por volta de maio de 2016, o casal rompeu o relacionamento. Após o término, Luís Roberto, não aceitando a situação, passou a cometer diversas atitudes para prejudicar Dandara, furtando objetos dela, inclusive a chave da casa, além de ameaçar divulgar fotos íntimas desta.

No dia do crime, a jovem estava em seu quarto à noite quando Luís Roberto invadiu o local, portando um pedaço de corda e dizendo para ela ficar quieta, acrescentando que havia amarrado a mãe e a avó da ofendida, e havia uma quadrilha do lado de fora. Em seguida jogou o celular da vítima para baixo do travesseiro e aplicou uma “gravata” nela.

Enquanto esta relutava para sair do enforcamento a que era submetida, a avó escutou o pedido de socorro e correu até o quarto da neta, presenciando a cena, e chamando Marli Silva, mãe da vítima. Nesse momento, o acusado correu até a cozinha e se armou com uma faca. Logo em seguida a esfaqueou no pescoço, e prosseguiu tentando continuar a esfaqueá-la, momento em que a mãe conseguiu que sua filha se desvencilhasse, e passou a lutar com o acusado, que tentava lhe furar e deu-lhe duas cabeçadas no rosto.

Populares ao ouvirem os gritos chegaram na casa para socorrer a vítima e levá-la ao hospital Metropolitano, onde sofreu intervenção cirúrgica no pescoço e ficou internada.

Caso o pedido de pronúncia do Ministério Público do Estado seja aceito pela Justiça, a data do julgamento será marcada.

A pena para o crime de tentativa de feminicídio é de 12 a 30 anos de reclusão.


Assessoria de Comunicação
 

Rua Joao Diogo, 100 - Cidade Velha - 66.015.165 Belém/PA | (91)4006-3400
Atendimento ao público 8h às 14 - Atendimento no protocolo 8h às 17h (2a a 5a) e 8h às 15h (6a)
© 2000-2011. Todos os direitos reservados (Departamento de Informática - MPPA)