24 de Junho de 2018

 

O Ministério Público do Estado do Pará, por meio do 1º promotor de Justiça titular de Capanema, Nadilson Portilho Gomes, em exercício no cargo de promotor de Justiça de Capitão Poço, instaurou, na última terça-feira, 9, inquérito civil para apuração da responsabilidade administrativa do prefeito municipal João Gomes de Lima, conhecido como “João Tonheiro”, por não chamar os candidatos aprovados no concurso público de 2008 da Prefeitura Municipal e ter mantido os temporários no quadro, mesmo com decisão judicial favorável aos aprovados no certame.


O Inquérito foi instaurado com base no expediente, de 19 de dezembro de 2017, dos aprovados Erika Braga Pires e Edilson Alves Mendes, representados pela advogada Camila Videira de Oliveira, argumentando que todos os aprovados no concurso público de 2008 ainda não foram chamados, mesmo com decisão judicial obrigando o gestor João Gomes a tomar as providências necessárias para ingressos dos mesmos no serviço público municipal.


O Ministério Público deu prazo de defesa para o prefeito manifestar-se sobre a não convocação dos concursados, preferindo manter os temporários, sob pena de ser processado em ação de improbidade administrativa como foi feito com sua antecessora Antônia Diana Mota de Oliveira, conhecida como Diana Belo, que também não quis chamar os concursados.

Texto: Promotoria de Justiça de Capitão Poço
Edição: Assessoria de Comunicação
 

Rua João Diogo, 100 - Cidade Velha - 66.015.165 Belém/PA | (91)4008.0400 (Promotorias) e (91)4006-3400 (Edifício Sede)
Atendimento ao público 8h às 14h - Atendimento no protocolo 8h às 17h (2a a 5a) e 8h às 15h (6a)
© 2000-2011. Todos os direitos reservados (Departamento de Informática - MPPA)